Descrição:
Na Região de Primavera do Leste-MT plantam-se algumas variedades de Feijões Preto, seguem descrições das mesmas logo abaixo:

BRS Esplendor: O feijão BRS Esplendor é uma cultivar do grupo preto, indicada para cultivo em São Paulo, Pernambuco, Sergipe e Rio Grande do Sul na safra das águas; em Tocantins na safra de “inverno”; em Mato Grosso do Sul e Rondônia na safra da “seca”; em Mato Grosso nas safras do “inverno” e da “seca”; em Santa Catarina e no Paraná na safra das “águas” e da “seca”; e em Goiás nas safras das “águas”, “seca” e “inverno”. A cultivar BRS Esplendor apresenta alto potencial produtivo (4.120 kg/ha), arquitetura de plantas ereta, ciclo normal (de 85 a 90 dias, da emergência à maturação fisiológica). resistência ao acamamento (adaptada à colheita mecânica direta), resistência ao mosaico-comum e a nove tipos de fungos causadores da antracnose, além de tolerância à murcha de fusário e ao crestamento bacteriano comum.

IPR Tiziu – Cultivar do grupo preto, de alto potencial de rendimento e ampla adaptação. Registrada para cultivo a partir de março de 2007 e indicada no zoneamento agrícola de risco climático, para cultivo nos estados do RS, SC, PR, SP, GO e MT. Apresenta hábito de crescimento indeterminado, porte ereto que favorece a colheita mecânica direta e comprimento da guia média. Apresenta resistência ao mosaico comum e ferrugem, resistência moderada a murcha de curtobacterium, oídio e mancha angular e suscetibilidade a antracnose e crestamento bacteriano comum. Também apresenta boa tolerância à seca e altas temperaturas durante a fase reprodutiva (florescimento e formação de vagens). Em 20 ensaios conduzidos nas safras das águas e seca em três anos 2002 a 2004 superou em 6% o rendimento das cultivares IPR Uirapuru e FT Nobre. As sementes apresentam tegumento preto, tempo médio de cozimento de 25 minutos, porcentagem de grãos inteiros após o cozimento de 58% e teor médio de proteína de 24,5%. O peso médio de mil sementes é de 205 g.

IPR Uirapurú – Cultivar do grupo preto, de ampla adaptação, registrada para cultivo a partir de julho de 2000. Apresenta hábito de crescimento indeterminado, porte ereto, guias curtas, com possibilidade de colheita mecânica. O tempo médio até o florescimento é de 43 dias, o ciclo médio é de 86 dias da emergência a colheita. Apresenta-se como resistente à ferrugem, oídio e mosaico comum e suscetível à antracnose, crestamento bacteriano comum, murcha-de-curtobacterium, murcha de Fusarium e mancha angular. Tem apresentado boa tolerância a déficit hídrico e alta temperatura ocorridos durante a fase reprodutiva, também se mostrou relativamente eficiente em condições de baixa disponibilidade de fósforo. Em ensaios conduzidos em diversas regiões do Estado, durante a safra das águas e seca de 1997 a 2000, apresentou rendimento médio igual ao da cultivar FT Nobre e 10% superior a IAC Una e 20% superior a IAPAR44. A sementes apresentam tegumento preto, teor médio de proteína de 21% e tempo médio de cozimento de 28 minutos. O peso médio de mil sementes é de 246 g.